Related Posts with Thumbnails

No Poo / Low Poo – Parte 3

12 de fevereiro de 2009 |

Como no último Post eu disse que o importante é fazer o consumidor ler os rótulos dos produtos, nesta postagem vamos analisar alguns rótulos de xampus, condicionadores e finalizadores capilares e compreender se eles poderiam ou não ser utilizados para o No Poo / Low Poo, seguindo apenas as orientações sugeridas no livro Curly Girl. No fim dessa série de postagens, acrescentarei as minhas considerações sobre este tratamento e os produtos realmente “proibidos” ou “permitidos”.


Como a minha intenção não é fazer divulgação de nenhum produto específico, nossa análise ficará restrita aos componentes descritos no rótulo. Além disso, como também não é meu interesse avaliar se as empresas cumprem ou não as exigências legais da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), preferi não incluir sequer as imagens dos produtos, apresentando apenas as composições conforme descritas nos contra-rótulos de produtos pesquisados em janeiro de 2009 pelo Global New Products Database – GNPD, da Mintel.

Fórmula 1 – Xampu Infantil Suave
Composição: Water, PEG-150 pentaerythrityl tetrastearate, disodium lauryl sulfosuccinate, sodium laureth sulfate, sodium lauroyl sarcosinate, sodium cocoamphoacetate, PEG- 80 sorbitan laurate, avena sativa (oat) kernel extract, fragrance, diazolidinyl urea, iodopropynyl butylcarbamate, citric acid, tetrasodium EDTA.
Análise: Apesar de ser um produto dito infantil, ele contém uma altíssima proporção de agentes detergentes. Uns mais suaves e outros mais agressivos, mas é justamente o equilíbrio entre eles que faz esse produto ser suave. Segundo o que já foi dito sobre o Low Poo, este produto apresenta Lauril Éter Sulfato de Sódio (Sodium Laureth Sulfate) em menor concentração que um xampu convencional para adultos, mas como contem não seria um produto permitido para o Low Poo.
Preço médio: R$ 4,89

Fórmula 2 – Spray Leave On Modelador de Cachos
Composição: Hydrolyzed wheat protein, dimethylpabamidopropyl laurdimonium tosylate (and) aqua (and) glycol stearate, polyquaternium-37 (and) propylene glycol dicaprylate/dicaprate (and) PPG-1 trideceth-6, quaternium-16, dimethicone/glycidoxy dimethicone crosspolymer (and) trideceth-12, dimethicone copolyol, methyldibromo glutaronitrile (and) phenoxietanol, polysorbate 20, glycerin, parfum, citric acid, aqua.
Análise: Por ser comercializado apenas no Brasil, este produto não segue o consenso internacional de descrever os componentes em ordem decrescente de concentração. Por que eu sei que ele não é comercializado fora do Brasil? Pelo conservante que ele utiliza (ver post Preservantes cosméticos - Atualização). É realmente uma formulação indicada para deixar os cachos mais hidratados. E, para quem não sabe (ou não percebeu ainda), cachos hidratados é sinônimo de cachos definidos! Segundo o que diz Lorraine Massey em seu livro, este produto apresenta algumas das substâncias indicadas como a proteína de trigo (Hydrolyzed Wheat Protein), a glicerina (Glycerin) e o ácido cítrico (Citric Acid). No entanto, apresenta um silicone (Dimethicone Copolyol) que, apesar de promover a hidratação local, é um silicone, portanto tornaria este produto “proibido” para o No Poo / Low Poo.
Preço médio: R$ 32,80

Fórmula 3 – Condicionador Infantil
Composição: Water, cetearyl alcohol, cetrimonium chloride, mineral oil, amino-bis propyl dimethicone, trideceth-12, TEA-dodecylbenzenesulfonate, fragrance, glyceryl stearate, formaldehyde, methylchloroisothiazolinone, methylisothiazolinone, aloe vera extract, CI 59040, citric acid.
Análise: É irônico, mas o principal produto a ser utilizado para o No Poo / Low Poo, dos que analisamos aqui, é o que mais contem substâncias ditas “proibidas”, como o óleo mineral (Mineral Oil ou Paraffinum Liquidum) e um silicone amínico (Amino-bis Propyl Dimethicone, um amodimeticone).
Preço médio: R$ 6,65

Fórmula 4 – Máscara Capilar
Composição: aqua, propylene glycol, behentrimonium chloride and cetearyl alcohol, cetearyl alcohol, ceteareth-20, macadamia ternifolia seed oil, butyrospermum parkii butter, persea gratissima oil, trimethylsilylamodimethicone, polyquaternium 6, phenoxyethanol (and) methylparaben (and) ethylparaben (and) propylparaben (and) butylparaben (and) isobutylparaben, parfum, disodium EDTA, methylparaben, propylparaben, BHT.
Análise: Essa máscara altamente hidratante para os cabelos frágeis e ressecados, como são os cacheados, é “proibida” para o No Poo / Low Poo, pois apresenta um silicone amodimeticone em sua composição (Trimethylsilylamodimethicone).
Preço médio: R$ 16,90

Fórmula 5 – Gel Fixador Sem Álcool
Composição: Water, propylene glycol, triethanolamine, carbomer, PEG 40 castor oil, aloe barbadensis, PVP, methylparaben, parfum.
Análise: Enfim um produto permitido e barato, pelo menos para finalizar o tratamento e deixar os cachos secarem naturalmente e com definição. Da nossa lista é o que mais apresenta produtos permitidos: propilenoglicol (Propylene Glycol), óleo de rícino hidrogenado (PEG 40 Castor Oil), aloe (Aloes Barbadensis) e PVP. Convém apenas prestar atenção para o fato de o PVP eventualmente causar descamação que pode ser confundida com a caspa.
Preço médio: R$ 3,99

Opinião do autor: a minha opinião foi exposta durante a análise de cada composição, mas ainda há muito a ser falado sobre os produtos e formulações. O que eu apresentarei nas próximas postagens.

No Poo / Low Poo – Parte 2

2 de fevereiro de 2009 |

Continuando a sequência do Low Poo / No Poo, vocês poderão ver abaixo o que Lorraine Massey diz sobre o que pode e o que não pode ser usado em cabelos que fazem este tipo de tratamento.

O importante desse assunto é levar os consumidores a lerem os rótulos dos produtos que compram e entender o que estão comprando. Por isso, abaixo listarei as substâncias segundo sua nomenclatura internacional de ingredientes cosméticos e em sua tradução para o português. Além disso, há uma convenção internacional de se listar a composição em ordem decrescente de concentração das matérias-primas que constam naquele produto cosmético. No Brasil, as empresas sérias e que respeitam seus consumidores mantém esse padrão na composição de seus produtos.

Em seu livro, a autora faz as seguintes considerações sobre os produtos capilares:

Xampu: evitar os que contenham Sodium Lauryl Sulfate (Lauril sulfato de sódio), Ammonium Laureth Sulfate (Lauil éter sulfato de amônio) e Sodium Laureth Sulfate (Lauril éter sulfato de sódio). Sugere o uso de produtos que contenham Disodium EDTA (EDTA dissódico), Citric Acid (ácido cítrico) ou extratos de plantas. Também é sugerido utilizar produtos que contenham Cocamidopropyl Betaine (Cocamidopropil betaína), Dodecyl Polyglucoside (Dodecilpoliglicosídeo). Não é necessário xampu com agentes condicionantes, pois tudo será compensado com o uso do condicionador.

Condicionadores: é aconselhado evitar o uso de condicionadores que contenham silicones, ou seja, substâncias que terminem em -cone. Os cabelos necessitam de emolientes, umectantes, proteínas e hidratantes, por isso deve-se procurar por essas substâncias nos rótulos dos produtos.

  • Emolientes: Shea Butter (manteiga de karité), óleos vegetais, olive oil (óleo de oliva) e óleos de castanhas;
  • Umectantes: Panthenol (D-Pantenol ou Pró-vitamina B5), Glycerin (Glicerina) e Sorbitol (Sorbitol);
  • Hidratantes: Aloe vera (Aloe vera ou Babosa), Aminoacids (Aminoácidos, não cita nenhum especificamente).
  • Proteínas: Wheat (Trigo) e Soy (Soja). A autora não cita, mas encontrar o termo Protein já é um bom indício.

Gel fixador: Preferencialmente géis transparentes ou semi-transparentes, sem corantes. Deve conter PVP (Polyvinylpyrrolidone ou Polivinilpirrolidona), PVP/VA (Vinil Acrylate ou Acrilato de vinila).


"No começo achei a ideia de não usar shampoo meio bizarra, mesmo porque não havia muitas informações. Decidi tentar porque meu cabelo estava numa fase bem ruim. Tentei uma vez lavar o cabelos só com condicionador, mas usei um condicionador com substâncias insolúveis e minha cabeça coçou muito! Eu me informei melhor, comprei alguns produtos "permitidos" mas continuei com o shampoo, então em dezembro de 2008 lavei meu cabelo com shampoo pela última vez e já na segunda semana meu cabelo estava bem melhor. Em pouco mais de um mês e meio meu cabelo mudou muito, ele está com uma textura mais leve e mais hidratado, o frizz diminuiu, e a parte de trás, que sempre foi muito ressecada, melhorou 100%. O volume também está mais controlado e agora só prendo o cabelo por causa do calor. O fator negativo foi que passei a lavar o cabelo com mais frequência, pois consigo ficar no máximo dois dias sem lavar a raiz. Com xampu eu podia ficar 3 ou 4 dias sem lavar até que a raiz ficasse oleosa."
Amanda Pedrazoli, Assistente Fiscal.


Opinião do autor: Eu suprimi das considerações citadas no livro as razões pelas quais deve-se ou não evitar esta ou aquela substância por que nem sempre o motivo é aceito pela cosmetologia. Não me preocupei em detalhar muito o uso das substância e em citar muitos exemplos, pois nas próximas postagens abordarei isoladamente cada um dos produtos mencionados: xampu, condicionador e gel fixador.

Gostaria de agradecer pelas meninas que gentilmente cederam seus depoimentos para esta sequência de postagens e caso mais alguém queira se prontificar, ainda posso encaixar quantos depoimentos forem necessários! A opinião de quem usa é muito valiosa para o profissional que desenvolve produtos.

Referência: MASSEY, L. Curly Girl. New York: Workman Publishing, 2002.