Álcool em gel antisséptico e prevenção de doenças

Além do surto de pessoas infectadas pelas doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, o número de casos da Influenza A, causada pelo vírus H1N1, aumentou demais entre janeiro e março. Só o Estado de São Paulo registra um aumento de 150% comparado ao mesmo período de 2015.

A dificuldade de diferenciar a gripe causada pelo H1N1 de outra gripe leva a morosidade no tratamento. A preocupação maior é a Síndrome Respiratória Aguda Grave, que tem levado as pessoas a óbito. Os sintomas são: falta de ar, desconforto respiratório, aumento da frequência respiratória e queda de pressão.

A higienização das mãos com água e sabonete com frequência, principalmente após tossir, espirrar e ter contato com superfícies, onde o vírus da gripe pode permanecer vivo por até oito horas. A higienização também é recomendada antes de comer e depois de ir ao banheiro.

A embalagem ideal para álcool em gel evita o contato direto das mãos com o produto.
Foto: Keerati / FreeDigitalPhotos.net

 

Como formular álcool em gel antisséptico para as mãos

A concentração alcoólica indicada do produto deve ser entre 68 e 72° INPM (77° GL) para matar bactérias e vírus. Se a concentração for mais alta, o álcool perde sua função microbicida, pois ocorrerá apenas a desidratação da célula sem a destruição do microrganismo.
É importante a utilização do álcool gel que contenha em sua composição substâncias que evitam o ressecamento da pele, ou seja emolientes, umectantes e hidratantes.

Gel antimicrobiano para as mãos

ComponentesPercentual
Fase A
Carbomer0,50 %
Água deionizadaq.s.p. 100 %
Aminomethyl Propanol0,20 %
Coranteq.s.
Fase B
Etanolq.s. 70° INPM
Cocoato de glicerila 7EO1,00 %
Lanolina 75EO2,00 %
Polietilenoglicol1,00 %
Mentol0,10 %
Fragrânciaq.s.

Preparação: Dispersar o carbomer na água sob agitação por 30 minutos e adicionar o Aminomethyl Propanol para neutralizar até pH desejado. Adicionar o corante. Misturar os componentes da fase B e adicionar sobre a fase A, sob agitação.

Gel Antisséptico para as mãos

ComponentesPercentual
Fase A
Carbomer0,30 %
Água deionizadaq.s.p. 100 %
Etanol40,0 %
Fase B
Isopropanol10,0 %
Glicerina5,00 %
D-Pantenol0,20 %
Ciclometicone0,50 %
Fase C
Fragrânciaq.s.
Coranteq.s.
Trietanolaminaq.s.p. pH 6 a 7

Preparação: Dispersar o carbomer na água sob agitação por 30 minutos e adicionar o etanol. Misturar os componentes da fase B e adicionar sobre a fase A, sob agitação. Adicionar a trietanolamina e corrigir pH para 6 a 7.

As formulações são sugestivas e necessitam ser testadas clinicamente para terem comprovação de sua eficácia.

Água e sabão que tem por finalidade a remoção das sujidades e flora transitória (microrganismos adquiridos no contato com o ambiente) são grande aliados para higienização das mãos e no caso da eliminação exclusiva de bactérias (sanitização), as soluções alcoólicas são mais potentes, mas só podem ser utilizadas caso as mãos estejam limpas, sem qualquer sujidade visível.

Dada à importância da higienização e sanitização das mãos, é indispensável orientarmos corretamente a utilização do álcool em gel, pois já que sugerimos como formular, indicamos também o modo correto de utilização do álcool gel (clique aqui)

Referências bibliográficas:
Editora Abril – Lavar as mãos ou utilizar álcool em gel ?
Portal R7 – Casos de H1N1 em 2016 (jan-mar)
Guideline of Disinfecttion – °INPM ou GL bactericida